Fatos que levam a prever que a morte do Instagram está próxima

Outro dia em uma aula online com Pierre Levy, ao ser perguntado sobre como ele fez para acertar muitas de suas previsões sobre tecnologia e sociedade feitas há mais de 20 anos, ele argumentou que muitos dos indícios de como será o futuro são expostos frequentemente no presente. Ele também respondeu sobre o Facebook “dominar o mundo” futuramente argumentando que as redes sociais digitais não morrerão, mas possivelmente elas não serão essas de hoje, do modo e como as conhecemos agora. Tudo isso aflorou algo que eu já venho pensando faz algum tempo: a morte do Instagram esta cada dia mais próxima! Constantemente venho recebendo sinais que apontam para o fim dessa rede através de notícias sobre as empresas de Zuckerberg. Vamos a eles:

1) Com a saturação de faturamento no Facebook, o foco para anunciantes passa a ser o Instagram

Ano passado me chamou atenção as notícias que informavam que apesar do crescimento do Facebook, a rede já enfrentava insatisfação de anunciantes em relação às métricas. Depois de divulgar um aumento nas receitas no primeiro trimestre de 2017, impulsionadas pela grande base de usuários com foco nos anúncios de vídeo lucrativos e no desenvolvimento do Instagram, o Facebook identificou que estava alcançando o ápice do crescimento no faturamento em propagandas. Com isso começou um movimento gradativo de propagandas no Instagram – algo que qualquer usuário mais frequente da rede já deve ter notado em sua timeline. (Meio e Mensagem).

Em julho de 2018 esse movimento parece se intensificar: Com quedas de Facebook, cresce pressão para Instagram conseguir anunciantesInvestidores querem muito mais anunciantes no Instagram.

2) Sensação de insegurança gerada pelos escândalos sobre o vazamento de dados

O episódio Cambridge Analytica foi um baque forte para o Facebook, trazendo uma onda de desconfiança e insegurança entre todos os usuários das redes sociais. Como paliativo o Instagram já apresentou algumas novidades que visam deixar os usuários mais tranquilos: Instagram reforça segurança do aplicativoApós onda de contas hackeadas, Instagram aumenta segurançaInstagram muda jeito de pedir conta verificada e libera funções de segurança. Se essas ações geram ou não o efeito desejado não cabe a mim discutir. Porém o clima criado com a insegurança das redes vem fortalecendo os movimentos “Anti Redes Sociais Digitais”: Antisocial media: why I decided to cut back on Facebook and InstagramAnti-Social Media: How Facebook Disconnects Us and Undermines Democracy. Muitos autores têm escrito sobre o assunto, como Siva Vaidhyanathan e Jaron Lanier.

3) Desenvolvimento de novas ferramentas para manter o Instagram “relevante” (ou “vivo”)

Constantemente pipocam possíveis novidades para o aplicativo, algumas efetivadas e outras não: chamadas de áudio e vídeo, novas ferramentas em breve. Essas ações mostram a preocupação dos proprietários da plataforma e não deixá-la “estagnada”, mas ao mesmo tempo isso faz com que surja uma sensação de falta de foco: o Instagram se destacava por sua proposta concreta e clara, uma rede social com foco na imagem! Agora com o anúncio da sua “versão de vídeos” para concorrer com o Youtube: IGTV, essa falta de foco parece ficar mais evidente.

4) Saturação do público

Quanto mais usuários mais “problemas”. É uma sensação só minha ou quanto mais gente dentro de uma plataforma mais enfadonha ela parece ficar? Um tanto controverso, mas ao se “popularizar” demais os conteúdos do Instagram – essa é a minha sensação – ficaram menos “legais”. O Instagram chegou a 1 bilhão de usuários, e com isso os perfis falsos e golpes também aumentaram: Golpe do ‘influenciador da Adidas’ engana 140 mil pessoas no InstagramQuatro golpes cada vez mais comuns no Instagram.

Junto com isso, a propaganda também começa a ganhar outros contornos além dos anúncios convencionais. Os influenciadores digitais, que recebem cifras enormes para anunciar produtos em seus perfis se multiplicam exponencialmente, hoje não precisando nem serem necessariamente pessoas famosas: Marcas estão trocando influencers por usuários comuns na divulgação de produtos. Parece que a autenticidade da rede vai se esvaindo… Eu sei! eu não sou ingênuo de achar que toda timeline é um reflexo da vida real do usuário, porém no Instagram isso esta chegando em um ponto crítico. Um exemplo disso é que agora a rede deve deixar explicitado na postagem quando alguém recebe alguma quantia para fazê-lo: política exigindo a divulgação de acordos de endosso. Provavelmente algum amigo meu postou uma foto num restaurante não pela comida ser boa, mas porque talvez tenha recebido um almoço grátis. Eu já não sei mais o que é “verdade” e o que é propaganda.

5) Todo dia uma nova ferramenta ou plataforma é lançada

Por último, o motivo mais evidente de todos: nesse exato momento programadores estão trabalhando dia e noite para criar a nova rede social digital que vai revolucionar o mundo, podem ser jovens estudantes iguais Zuckerberg, ou até mesmo empresas gigantes buscando quebrar um monopólio: WeChatVeroCameosCloak, etc.  Até agora ninguém teve sucesso, mas duvidar que cada dia que passa alguém está muito mais próximo de conseguir seria ingenuidade.

————————————-

É um tanto apocalíptico e talvez óbvio, tudo morre um dia, mas me deixa triste começar a perceber e pensar que isso está chegando na minha rede social digital favorita! Ao mesmo, será que se continuasse como sempre foi, sem de modificar, o Instagram sobreviveria mais? Nunca saberemos…

 

Deixe uma resposta